HomeRádio Vaticano
Rádio Vaticano   
Outras línguas  

     Home > Igreja > 2013-04-16 16:09:39
A+ A- imprimir



Não à violencia, não à guerra - Nota dos Bispos de Moçambique



Às Comunidades Cristãs, Aos homens e Mulheres de boa vontade,

Às Autoridades civis, religiosas e Político-militares

Saudação
1 - A partir da sede da Caritas Moçambicana, em Maputo, onde estamos reunidos de 8 a 15 de Abril, para a nossa Primeira Sessão Ordinária da Assembleia Plenária do presente ano de 2013, vos endereçamos a nossa saudação de Pastores, com votos de que tenhais celebrado na paz e alegria a Páscoa do Senhor.
Solidariedade para com as vítimas de Moxunguè

2 - Depois dos gravíssimos acontecimentos dos dias 3 e 4 deste mês, que tiveram lugar em Gondola (Manica) e Muxunguè (Sofala), a nossa responsabilidade de Bispos nos impele a dirigir-vos uma palavra de exortação e de esperança.

3 - Antes de mais, queremos dirigir uma palavra de comunhão e de solidariedade na dor às famílias que perderam os seus entes queridos nos confrontos armados na Vila de Muxunguè, na madrugada do dia 4 do corrente mês e das vítimas nas emboscadas na da estrada nacional Nº 1 que se seguiram às escaramuças daquele dia. Às famílias enlutadas, aos feridos e respectivas famílias asseguramos as nossas preces.
A génesis dos últimos acontecimentos
4 – Como se pode constatar, os acontecimentos aqui em referência são uma repetição (em maior escala) de outros episódios e são fruto da intolerância política que tem caracterizado os últimos anos, em que o Partido no poder e a Renamo têm sido os protagonistas. Assim se confirmam as nossas palavras na Nota Pastoral do passado dia 6 de Agosto de 2012, onde, entre outras, dizemos: “Podemos continuar a perguntar se não estarão ameaçadas a democracia e a paz, quando temos a impressão de assistirmos no nosso País a um renhido antagonismo e uma falta de diálogo e de tolerância entre os dois partidos mais fortes, com a tendência de se denigrirem reciprocamente, ao ponto de não mais poderem ver nem apreciar os aspectos positivos que acontecem no seio do outro?” (Nota Pastoral: “Construir a Democracia para Preservar a Paz,” no 10).

Não à violência e à guerra
5 - Por diversas vezes, através das nossas Cartas Pastorais, vimos denunciando situações de injustiça, de exclusão social, de arrogância, intimidação, incitamento à violência verbal e física, gestos de antagonismo, etc., atitudes e práticas que condenamos vigorosamente.
Sua Excelência o Senhor Presidente da República, Armando Guebuza e o líder da Renamo, o Senhor Afonso Dlakama, apregoam a importância e necessidade da paz; nós voltamos a reafirmar, com todo o vigor, que o diálogo, o respeito mútuo e a tolerância são a única via para pôr fim às situações como as que temos testemunhado e que desembocaram nas violências mortais de Muxunguè.
O Povo moçambicano diz NÃO à guerra. NÃO à guerra “grande” como a dos 16 anos; NÃO à guerra “pequena”, de um dia ou de uma hora. Em suma, NÃO à guerra armada ou verbal, seja quem for o protagonista. NÃO à violência física ou verbal, venham donde vier. Continuamos a reafirmar, junto com o povo moçambicano: Ninguém deve atacar, ninguém deve ser atacado; ninguém deve retaliar, ninguém deve ser retaliado, porque tudo isto é violência. O caminho justo e correcto é o diálogo franco, honesto e respeitoso.
Apelos:
6 - O remédio para os nossos males, nesta nossa real situação, é a tolerância, o respeito mútuo, o diálogo permanente e construtivo.
Por isso, apelamos às forças políticas, particularmente ao Governo, à Frelimo e à Renamo, na pessoa dos seus dirigentes, para que restabeleçam o método do diálogo e reafirmem o compromisso que assumiram no Acordo Geral da Paz, onde está dito que cada um dos signatários não agiria de forma contrária ao que rezam os diversos Protocolos que puseram fim ao conflito armado no nosso País (cf. Prot. I, Dos Principios Fundamentais n.ºs 1 e 2)
Portanto, esta é a estrada por onde devemos SEMPRE caminhar. Não está dito que depois de 20 anos este compromisso cessaria, compromisso que é, afinal de contas, norma universal para todos os Povos que desejam viver em paz. Não há nenhuma reivindicação que possa dar direito ao recurso a qualquer tipo de violência.
7 - Que se crie, portanto, um ambiente de paz e liberdade para os indivíduos, para os partidos políticos e para todos os grupos ou associações que promovem o bem. Que nenhum partido seja hostilizado nem veja as suas instalações e símbolos destruídos ou vandalizados. Os governantes e líderes dos partidos devem manifestar que querem a paz através de gestos concretos, a saber: diálogo transparente, paciente, sincero, aberto, honesto e permanente. O diálogo é um processo que se deve assumir e construir com perseverança e paciência.
8 - Perante a erupção de recursos no nosso País, não faltarão ambiciosos e gananciosos interessados em aproveitar-se das nossas divisões ou mesmo para provocá-las, para nos distrair enquanto eles exploram e drenam as riquezas do País. Para que isto não aconteça não devemos abrir brechas. Os problemas dos moçambicanos devem ser resolvidos pelos moçambicanos.
9 - Apelamos ao Povo para que não se deixe manipular por ninguém (partidos inclusive) e induzir para fazer o mal, seja de que tipo for e seja para que fim, sobretudo para praticar qualquer tipo de violência ou atrocidade.
10 – Apelamos aos sacerdotes: sejam solícitos em ajudar os fiéis e pessoas de boa vontade a viver a política na justiça, verdade e respeito recíproco e sejam verdadeiros ministros que promovem a paz e a reconciliação entre o Povo.
11 - A terminar, saudamos os governantes, as autoridades civis, religiosas e político-militares, e todos os homens e mulheres de boa vontade e fazemos votos para a paz, a serenidade e a alegria voltem para os nossos corações.

Maputo, 15 de Abril de 2013

Os bispos da Conferencia Episcopal de Moçambique
+ Lúcio Andrice, Presidente da CEM e Bispo de Xai-Xai
+ Francisco Chimoio, Vice-Presidente da CEM e Arcebispo de Maputo
+João Carlos Hatoa, Secretário da CEM e Bispo Auxiliar de Maputo
+ Germano Grachane, Vogal da CEM e Bispo de Nacala
+ Claudio Dalla Zuana, Vogal da CEM e Arcebispo da Beira
+ Adriano Langa, Vogal da CEMe Bispo de Inhambane
+ Tomé Makhweliha, Arcebispo de Nampula
+ Francisco João Silota, Bispo de Chimoio
+ Inácio Saure, Bispo de Tete
+ Hilario Massingue, Bispo de Quelimane
+ Francisco Lerma Martinez, Bispo de Gurúè
+ Elio Greselin, Bispo de Lichinga
+ Pe. Fernando Domingos da Costa, Administrador Apostólico de Pemba




Compartilhar






Quem somos Horário dos programas Escreva à redação Produção RV Outras línguas Santa Sé Cidade do Vaticano Celebrações litúrgicas do Papa
All the contents on this site are copyrighted ©. Webmaster / Credits / informações legais / Publicidade